domingo, 21 de maio de 2017

NEAC - A CARA DO POVO - GUSTAVO NOGUEIRA

Chegado a pouco ele vem aqui no blog mostrar um pouco de sua personalidade e falar do seu amor pelo teatro. Vamos conhecer nosso novo amigo, descrito por ele mesmo.


Gustavo. Nogueira. Coelho. Assim, titubeante e focado nos detalhes. Ama reticências e parênteses. Viveu cerca de 135 anos dentro de 22 anos cronológicos... é um velho-novo, ou um novo-velho. Nadador. Escritor. Amante e professor de literatura. Estudante de medicina. Ator em formação. Viciado em: música negra (soul, jazz e blues) e doce de leite. Iniciante no NEAC (começou neste primeiro semestre de 2017). Os três trens que mais admira na humanidade são: a diversidade (esta, para ele, é o germe da aceitação da igualdade, pois a diversidade dos homens os torna iguais na diferença), a morte (acredita no poder do óbvio gerado por ela: ela é a responsável por renovar as gerações de almas terrenas... sem ela, permaneceríamos, sem evolução, num mar de cérebros obsoletos e fadados à ignorância) e o amor (considera este como sendo a mais nobre, sobrenatural e admirável coisa que o humano é capaz de vivenciar... João Bosco já avisou: “Quem pode querer ser feliz, se não for por amor?”). Quando quer ser lírico com as palavras escritas, costuma fazer uso da terceira pessoa, a exemplo da Vó Eva, sua avó materna (que sempre fala coisas como: “A Vó fez um bolo procê, viu?”, ao invés de “Eu fiz um bolo procê, viu?”). Prevê que terá um estranho destino (estranho, mas lindo... aliás, ama ser chamado de “estranho”), como Amélie Poulain... como ela, foi privado de si, mas nunca deixou de ser absolutamente sensível ao charme das pequenas coisas da vida... porque, como afirma o clichê, as melhores coisas da vida não são coisas. Essas são algumas vírgulas sobre ele, sobre mim, sobre nós... ele(eu) gosta(o) de fazer essa análise de si(mim), tentando observar-se de longe, de fora dessa bolha chamada “Eu”. Sua música preferida? “Valsinha”, mas especificamente a versão cantada pela dupla Chico Buarque e Nelson Gonçalves... chora lágrimas grossas já ao ouvir as primeiras notas, motivo pelo qual não gosta de parar para ouvir a canção em questão, a qual ouviu, inteira, em raríssimas ocasiões, durante sua vida. Vai aí, também, o poema preferido dele (“Poema de sete faces”, do Drummond):

“Quando nasci, um anjo torto
desses que vivem na sombra
disse: Vai, Carlos! ser gauche na vida.

As casas espiam os homens
que correm atrás de mulheres.
A tarde talvez fosse azul,
não houvesse tantos desejos.

O bonde passa cheio de pernas:
pernas brancas pretas amarelas.
Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração.
Porém meus olhos
não perguntam nada.

O homem atrás do bigode
é sério, simples e forte.
Quase não conversa.
Tem poucos, raros amigos
o homem atrás dos óculos e do bigode,

Meu Deus, por que me abandonaste
se sabias que eu não era Deus
se sabias que eu era fraco.

Mundo mundo vasto mundo,
se eu me chamasse Raimundo
seria uma rima, não seria uma solução.
Mundo mundo vasto mundo,
mais vasto é meu coração.

Eu não devia te dizer
mas essa lua
mas esse conhaque
botam a gente comovido como o diabo.”


Bom gosto musical heim garoto? Vou postar aqui algo que acho sua cara. Algo que você não conhece mas tenho certeza que vai amar e nunca esquecer. A introdução é bem grande, mas é pra dar o tom de retrô, sensibilidade e sonhos que a musica exige. Espero que goste.


Agora vou voltar pro meu youtube, como sempre, buscando conhecer coisas novas e divinas.

Bjos de uma Judite quase morta de tanta Insônia.

3 comentários:

estranho disse...

Ual, acho que devo conversar mais com vc.
Ao falar da diversidade vc mostra que está em um mundo que se privar de viver é se privar de VIVER.
Palavras bem ditas com algo bom para passar.
O tempo cronológico é tão fugaz que deveria ser contado de maneira diferente.
Bem vinda ao neac.
D.

Anônimo disse...

Esse menino...
Gostei desde a primeira vez que o vi...
Jeito de gente aconchegante...que a gente se sente à vontade de conversar e rir muito...
LILI.

Anônimo disse...

Que vídeo lindo...apaixonei...Lili